3 de abr de 2014

Como eu inicio (ou tento iniciar) meus textos



 Coragem, um dos primeiros cachorros a se preocupar em como digitar corretamente


E aí pessoal, beleza?
Então, eu tenho um problema sério de começar textos. Seja ele qual for - blogue, trabalhos acadêmicos, memorandos, entre outros. Simplesmente porque, apesar de saber o que quero falar, botar isto em linhas torna-se complicado. Como explicar?

Vamos começar pela forma de escrita. Para escrever em blogue, você geralmente usa uma linguagem informal, claro, dependendo do que se você se propõe a falar e de como o blogue é. Quando se prepara algo mais formal, geralmente trabalhos acadêmicos, ou institucionais (memorandos e ofícios de órgãos, firmas) aí segue-se um padrão típico para redigir.

Até aí já enchi lingüiça demais falando o óbvio (um problema recorrente comigo, e espero que você, leitor, não tenha). Foi meio que proposital mesmo, até porque este é um exemplo claro que queria mostrar. Na verdade queria falar sobre a escolha das palavras e ordenação de frases para então começar a produção de texto. E quando quero começar o assunto, coloco uma pequena introdução, um vício que peguei quando ainda treinava redações para o ENEM, o monstro sagrado da educação brasileira.

Escolher palavras. Bem, o que me vem em mente quase sempre é ligado pela forma de escrita que vou usar. Penso pelo menos uns 5 a 15 minutos para poder então começar a colocar duas, três palavrinhas. Simplesmente para perceber se isto vai chamar a atenção de quem está lendo (até que atualmente nem ligo pra isso, porque, apesar do feedback dos amigos, ninguém aleatoriamente veio comentar sobre). Após muito pensar depois das palavras, começam então surgir as frases completas.

Depois de feitas as frases, paro e releio tudo que escrevi até então. Porque faço isso? Bom, primeiro foi uma recomendação de uma grande amiga, professora, que enquanto fui aluno me falava: hoje ninguém lê o que escreve. Todo mundo sai digitando a esmo, sem se importar com nada. A revisão de texto é muito mais importante do que a escrita do mesmo, porque você vai olhar se a frase está coesa, se tem algum erro de gramática, se tem palavra repetida num parágrafo...

Para digitar o parágrafo acima (e todos os outros) reli pelo menos duas vezes à procura de erro. Achou o erro - correge e pronto! 

Percebo que a partir do quarto parágrafo as coisas parecem fluir melhor. Deve ser confiança, ou até empolgação naquilo que estou fazendo. E o processo "escrita - leitura - correção" continua até o fim da produção. E uma leitura final também - agora atentando detalhes mais "estéticos", como o tamanho de parágrafos (manter um mesmo padrão de linha de parágrafos deixa o texto mais "igual" e menos cansativo para o leitor). Findo tudo isso, posto, imprimo, envio. 

E você, mancebo, qual é a forma que você elabora seu texto?

Relacionados